domingo, 14 de dezembro de 2014

à deriva

ela parou
no meio da 25 de março
em pleno mês de dezembro
com uma dúzia de sacolas na mão
ela parou
e enquanto as pessoas se moviam
sentiu-se a deriva
num oceano de homo sapiens
pensou em gritar
Ilustração:Paulo Dias
que algo estava errado
e que alguém havia ativado
a função slow motion
mas percebeu
que ninguém a escutava
e que todo esforço gasto em comunicação
era totalmente em vão
durante os segundos que se sucederam
lembrou das aulas na faculdade
e lhe ocorreu que talvez
acabara de ter um inside
seja lá o que estivesse prestes a entender
não teve tempo de anotar
pois logo em seguida
seu filme se transformou
numa imensa tela preta
no dia seguinte
viera a descobrir
que grandes descobertas
nunca fazem questão
de chegadas dramáticas
e que seu quase primeiro inside
também responde pelo nome
de hipotensão.

2 comentários:

  1. Adorei *-* Gostei do fato de que parece uma narração em versos, sem se preocupar com rimas e tal. Parabéns!

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Nina, fico feliz que tenha gostado :D Sim, de vez em quando é legal não ficar preso a pré concepção de que poesia necessita sempre de rimas. As vezes é bom "sair da caixinha". Beijo, volte sempre ao blog.

      Excluir