terça-feira, 15 de julho de 2014

Eu não sei mais rimar (a poesia)

Pedaço de papel qualquer, 
banco de ônibus qualquer, linha 0254
São Paulo, 19:35hrs.
O termômetro de rua marca 11ºC e não chove.

matemática louca
números inexatos
O especialista diz que o resultado final não é satisfatório
mas a totalidade nem é mais meu objetivo...
Fragmentado
Repartido em mil
Multiplicam-se as dores, subtraem-se amores
Um mais Um não são dois
ora pois...
Me explica então
Como pode ser
que dez por cento de mim é esperança
vinte por cento conformismo
trinta por cento de mim é cansaço
quarenta por cento indiferença
cinquenta por cento de mim é lembrança
sessenta por cento saudade
setenta por cento de mim é amor
oitenta por cento ainda é você
noventa por cento de mim diz que é burrice
cem por cento prefere não escutar

Os números não batem
Não faz sentido...
Deixa estar
Talvez a ignorância seja um presente
Talvez meu pai esteja certo
Os leigos é que são felizes.
É... talvez.









Nota do autor:
"Eu não sei mais rimar" é o nome de um pequeno projeto que estou desenvolvendo. Consiste em um texto em poesia e outro em prosa que, conforme o título sugere, dispensa quase que totalmente as rimas. O tema e a situação descritos tanto na prosa quanto na poesia permanecem o mesmo. A ideia principal é mostrar como a alteração no estilo da escrita muda a percepção do leitor em relação ao tema tratado. Tema, é claro, voltado aos sentimentos. Vocês acabaram de ler "a poesia". Semana que vem tem "a prosa". Coisa simples, como deve ser a escrita, mas ambicionando ser profunda, objetivo que vocês é quem dirão se foi alcançado.

2 comentários:

  1. Você é incrível Mr. Paul! Que poesia linda! Me encantei! Parabéns.

    ResponderExcluir