segunda-feira, 30 de junho de 2014

Mudar o Foco

Ele me fitou, sério, e perguntou:

- Vovô, é possível acabar com um amor não correspondido?
Refleti por um instante, pensando na coisa certa a dizer. Respondi:
- Se você irá conseguir eu não sei, mas precisa tentar. Ou você acaba com ele ou ele acaba com você.
- Mas como um amor pode acabar conosco?
- Amor não correspondido quando guardado por muito tempo vira mágoa. E mágoa é o veneno mais mortal que conheço. Te mantem vivo enquanto te mata silenciosamente.
- Então como faço isso? Como apago um amor?

Ele me pegou! Não sabia ao certo o que responder. Como apagar um amor? Ao longo dos meus setenta anos de vida nunca parei para pensar nisso. Se a humanidade soubesse da resposta já teria patenteado a fórmula...
Ele percebeu meu silêncio, abaixou a cabeça e saiu da sala. Como apagar um amor não correspondido? Eu deveria ter lhe dito que o tempo faria isso, o tempo se encarregaria de apagar o que fosse preciso. Mas para falar a verdade não acredito muito nessa história. É genérico demais. Não se pode apagar do coração aquilo que foi sentido mas nunca consumado. 
A verdade é que todo amor deveria ser vivido. Mas as coisas não são assim. O "não" está por ai, e não somos imunes a ele. Mas sobreviveremos. Apagar talvez seja isso! Nós sobreviveremos aos amores não correspondidos mesmo que nunca os superemos de fato. Se um amor não cura outro, pelo menos o tira do centro das atenções. São camadas sobre camadas que vão deixando antigos amores cada vez menos propícios a voltar a incomodar. Preciso contar isso ao meu neto. Nós sobrevivemos! E uma hora deixa de incomodar. Basta mudar o foco. 

- Refaça a pergunta.
- Como assim vovô? 
- Vamos. Refaça sua pergunta.
- Está bem... É possível acabar com um amor não correspondido?
- Não.
- Não?!
- Não. Mas você sobreviverá. E uma hora deixará de incomodar.
- Já passou por isso? 
- Sim.
- E deixou de incomodar?
- Não viu o tempo que levei para elaborar sua resposta?
- Sim, mas o que isso quer dizer?
- Quer dizer que se não tivesse deixado de incomodar eu teria a resposta na hora. Mas precisei pensar, precisei sentir as camadas dentro de mim para me assegurar que não incomoda mais. Na verdade, você até esquece da maioria deles... tempo não cura, tempo muda o foco. 
- Tem certeza?
- Não tenho certeza. Mas tenho experiência. Isso deve valer de algo...
- Vale sim vovô. Isso vale muito.

"Tempo não cura, tempo muda o foco." Eu deveria escrever um livro. Ah besteira, ninguém compraria. Mas eu deveria escrever mesmo assim. Meu neto leria. Quem sabe  ele não mostra aos amigos dele? É isso! Escreverei um livro! Mas só depois de um cochilo. Filosofar sobre amor esgota a gente. "Filosofar sobre amor esgota a gente"... puxa, isso vai ser interessante...



4 comentários:

  1. esse texto me lembrou do filme Shrek no momento em que ele fala para o burro que as pessoas são como cebolas, feito em camadas... Amores não correspondidos tem seu peso em nossas vida porém, sem eles e sem nunca termos sofrido nunca seríamos uma pessoa completa.
    São essas camadas que nos fortalecem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. quando eu escrevi esse texto não tinha em mente essa cena do Shrek, mas ela ilustra bem o sentido destas palavras. É isso ai, as camadas da vida vão nos tornando mais fortes. Obrigado pelo comentário Dinho, abração! ^^

      Excluir
  2. Nossa, me identifiquei muito com esse texto. Eu tenho 14 anos, e estou passando por essa fase do amor não correspondido. Mas o meu problema, é que tenho medo da rejeição, por isso não tenho coragem de contar. Prefiro guardar pra mim e continuar amiga dele, do que contar e correr o risco de não ser correspondida, e depois ficar um clima estranho entre nós. Eu me sentir arrependida de ter contado e ele de não conseguir sentir o mesmo, e com isso estragar a amizade... É parece que estou em um barco furado. Espero que essa fase passe logo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida leitora (que infelizmente não sei o nome), essas coisas não tem idade pra acontecer, tenho 21 e acabei de passar por algo muito parecido. Essa linha entre amizade e amor é muito fina, e rompe-la pode ser perigoso. Não conheço seu amigo portanto não tenho como dizer se você tem chances ou não de ser mais que amiga pra ele, mas o que posso te dizer é que independentemente do que aconteça passa, tudo passa, e se vocês se gostarem mesmo (como amigos ou algo a mais) superarão as turbulências. Beijo, Paulo.

      Excluir