quinta-feira, 1 de maio de 2014

Poema: Eu conto se você prometer não fugir

mania boba
de tentar me encaixar
em tudo que você escreve
me descreve.
mania tola
de tentar decifrar
tudo que você faz
e passar a acreditar
que fez para me dizer
o que tanto quero que diga
e não diz.
Tudo que fiz
e o que não fiz
não condiz
com o que quero fazer
e dizer
mas não sei como
nem sei se devo
e não me atrevo
a me atrever.
Fico girando em círculos
num conto não conto
colocando ponto atrás de ponto
e formando reticencias
infinitas reticencias
que abrem caminho
para lugar nenhum.
Sinto-me bandido
que roubou de si mesmo
o direito de sorrir.
aquele que sabe o que sente
mas não sabe como sentir
preso num labirinto
onde a saída
é muito nítida
mas falta coragem
para transpor a barreira.
Eu conto se você prometer não fugir
conto se prometer agir
conto se prometer cumprir as promessas
que promete sem intenção de cumprir.
Mas não me peça para prometer o mesmo
porque
antecipando sua ação
por medo ou precaução
antes mesmo de te deixar falar
já terei fugido.

10 comentários:

  1. não sei se foi intencional ou não, mas a sonoridade das palavras dá a impressão de indecisão, um "vai mas não vai" que só se resolve no último verso, justamente onde há a quebra desse "tempo". Gostei muito desse aspecto!
    Já o conteúdo em si, passo por isso frequentemente, ao meu modo, mas você descreve muito bem a situação!

    Meus cumprimentos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. foi intencional sim Wanilson, sempre me preocupo com a sonoridade e quando escrevi esse poema estava me afogando num mar de indecisão. O resultado refletiu nos versos.
      Muito obrigado pelo elogio e pela visita, abração!

      Excluir
  2. Eu terminar a leitura penso: EU!
    Realmente me vi a enfrentar esse dilema. Esse receio de não ser correspondido e acabar fugindo dos nossos sentimentos. Esse medo que nos acorrenta. Quando superado, mesmo que com nossas expectativas destruídas, parecemos nos sentir leves.

    Gostei da tua poesia (e desse layout "era-de-ouro-do-mundo-blogueiro")!

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. João esse poema é "inspirado em fatos reais" e a tua última frase é exatamente o que penso: "Quando superado, mesmo que com nossas expectativas destruídas, parecemos nos sentir leves." Muito obrigado pelos elogios e pela visita, espero vê-lo por aqui mais vezes.
      Abraço, Paulo

      Excluir
  3. É tão díficil falar o quê sentimos né?Já fiz muito isso.Disse o quê precisava e fui embira.Não é fácil e requer muito equilibrio, mas ás vezes contar algo assim bagunça tudo.
    Gostei *_*

    beeijos ^^
    http://borboletametamorfoseando.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa e como é difícil! Mas no final das contas talvez falar seja o melhor a se fazer! Fico feliz que tenha gostado Carolina, espero que volte mais vezes ao blog.
      Beijo, Paulo.

      Excluir
  4. Bom poema! Adorei principalmente o trecho
    "Sinto-me bandido
    que roubou de si mesmo
    o direito de sorrir."
    Beijos,
    http://misssorrisos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Manuca, muito obrigado pela visita. Fico feliz que tenha gostado :D
      Beijo, Paulo

      Excluir