domingo, 17 de novembro de 2013

Sessão nº 02

Posso me sentar na poltrona hoje? É que não melhorei muito desde nossa última sessão e sinto que se me deitar no divã corro o sério risco de engasgar com sentimentos entalados. Não está funcionando doutor, os remédios que o senhor me receitou não estão fazendo efeito. Estou tentando praticar a positividade, e devo dizer que por um período considerável obtive sucesso.
Mas eles sempre voltam, aqueles sentimentos ruins. Sim, eu sei o que preciso fazer para afastá-los, mas não aja como se fosse fácil. Me desculpe, não foi minha intenção dizer isso. É só que... é só que, tem dias em que sou tomado por uma raiva absurda sabe? Caramba, tudo o que eu queria é que as coisas fossem mais simples, pelo menos uma vez. Eu não pedi para ser do jeito que sou, para falar a verdade se houvesse uma maneira de mudar isso esteja certo que eu o faria. Mas não há. É tão arbitrário não acha? Quer dizer... a gente simplesmente nasce assim e pronto. É como se nos entregassem um quebra-cabeças de um milhão de peças e dissessem: “Pronto, se vira!” Ai eu questiono: “Mas porque meu quebra-cabeças as vezes parece ser bem mais difícil que o das outras pessoas?”. Deve ser porque nunca fui bom com lógica...
Ainda está acompanhando meu raciocínio? A propósito, precisa parar de me receitar aquele comprimidinho azul, ele me deixa lesado. Onde eu estava? Ah , sim! Continuando...
É confuso demais para mim ser assim simplesmente porque sou assim. Detesto – é bom que o senhor tenha entendido perfeitamente o grau de ênfase que dei nesta palavra – Detesto sentir que estou perdendo o controle. Aliás, detesto aqueles momentos em que percebo que na verdade nunca estive no controle.
Minhas mãos estão suando, e ando tendo uns tiques bem inconvenientes sabia? Precisamos descobrir a causa disso. Sim, parei de fumar e ando maneirando na bebida. Eu sei, eu sei, nada de álcool. Mas se o senhor fosse eu, com essa bagunça inteira aqui dentro, garanto que só andaria bêbado. Sou um vencedor neste aspecto, acredite.
Falar sobre o que? Ah, claro, sobre relacionamentos. Essa é uma questão complicada – pra variar. Eu só queria que gostassem de mim do jeito que sou entende? Sim, eu tenho noção do quanto isso é clichê. Mas é que já mudei tanto para tentar agradar os outros que acabei perdendo a minha identidade. Estou recuperando-a aos poucos. Sou um cara legal sabe? Nenhuma pessoa extraordinariamente fascinante, ou complexamente divertida. Sou só... eu. Queria poder mostrar mais desse “só eu”, mas admito que não há muitas pessoas dispostas a arriscar essa possibilidade. Também não quero favores, caridade. Amor não se mendiga doutor, ou é dado livremente ou nem vale a pena ter. 
Me acha uma pessoa legal? Ah, obrigado. O senhor também é. Voltando...
Imagine a confusão que é quando a minha parte inconformada por ser do jeito que sou encontra com a minha parte frustrada sentimentalmente. Sim, sai de baixo! Sinceramente, não acredito que pessoas como eu – e o senhor entendeu o que quero dizer por "pessoas como eu" – tenham relacionamentos duradouros. Estou enganado? Me dê um exemplo que prove o contrário. Pois é, isso é bem polêmico. Mas é a verdade. E eu quero ter um relacionamento duradouro. Mas como? Espero que nossas sessões me ajudem a encontrar a resposta.
Quer a verdade? A verdade é que já não me acho capaz de conquistar alguém. Boicoto as coisas mesmo sem querer. Já penso em como será o fim daquilo que sequer começou.
Se já cheguei a pensar diferente? Acho que sim, algum tempo atrás. Mas o tempo vai abrindo os nossos olhos, e nem sempre nos prepara para o que vamos enxergar. Talvez eu não estivesse preparado. Agora tenho que aprender a lidar com isso.  Acredite, estou tentando.
Quanto tempo ainda temos? Quinze minutos? OK.
Quer que eu fale sobre ele? Não há muito o que dizer. Já expliquei o que penso sobre amor alguns minutos atrás. Nem tudo depende só da gente, e isso geralmente ferra tudo. Acha mesmo? Talvez sim, quem sabe. Não tinha parado para pensar nisso. Vamos esperar não é? Talvez nas próximas sessões eu possa dizer se estava certo ou errado.
Bem, acho que gostaria de usar meus últimos dez minutos para me deitar no divã. Já estou aliviado o suficiente para isso. E ele é tão confortável. Posso? Ah obrigado, o senhor é muito gentil. Não eu não quero falar mais nada por hoje, já disse até demais. Vamos só ficar em silêncio um pouco está bem? Vou colocar uma música para tocar. Gosta de Alanis Morissette? That I would be Good? Acho que tem a ver com o momento. Ótimo.  Sabe Marcos, ainda acredito, lá no fundo, que as coisas irão se ajeitar. That I would be Good doutor, that I would be good...

8 comentários:

  1. O texto diz muito sobre meus pensamentos dos últimos dias. E você, como sempre, escrevendo maravilhosamente bem ;)

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado Na, que bom que o que escrevo consegue atingir outras pessoas, esse é um dos objetivos principais, talvez até o maior :D

    ResponderExcluir
  3. Excelente, Paulo! Parabéns pelo texto. Quase fui psicólogo, acho que sempre gostei de entrar na mente humana, haha... não é fácil, mas um problema de cada vez, é possível ser mais feliz. Mas... sempre é muito complexo. Acho que o que vale a pena nunca é fácil, né.
    Abraço, continue escrevendo! Seguindo!

    http://infinimundos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Eduardo :D Realmente não é fácil, mas o que vale a ena nunca é fácil mesmo, por isso continuamos em frente. Mais uma vez obrigado pelo elogio e pela visita ;D Visitarei seu blog também pode deixar, abraço.

      Excluir
  4. Excelente texto! A vida seria um tanto mais fácil se viesse com manual de instruções, não é? Vivo perdida! Acho que estou fazendo certo e algo acontece e me faz pensar diferente, ou o contrário. É uma surpresa só.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Brunna, pois é... um manual de instruções para certas situações seria ótimo. Mas não o temos né? Resta ir improvisando sem ensaiar.

      Excluir
  5. Maravilhoso, Paulo! Sabe, sempre penso nessas coisas, todos os dias, falo comigo mesmo como se fosse minha própria psicóloga, tenho esses pensamentos confusos, e eu mesmo me aconselho, mas como sempre, nunca sigo. Complicado, né?

    Beijos, Lu!
    http://gimmeflowers.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Complicado mesmo, mas assim é a vida né? Apesar de complicada o mais importanmte é não desistir ^^ Beeijo Lu!

      Excluir