domingo, 17 de fevereiro de 2013

Poema: Onde mora a graça


Ele era um garoto diferente
Falava pouco e não era muito atraente
Das coisas da sua idade quase nada o interessava
Preferia o oposto, isso sim o alegrava.

Ele era um garoto que fugia do padrão
E por isso sonhava muito.

Passava horas inteiras construindo e destruindo mundos
Suas armas eram uma caneta e um pedaço de papel
Não se importava com as cobranças dos outros                                                             
Fazia suas próprias regras, tinha seu próprio quartel;

Ele era um garoto que fugia do padrão
E por isso sorria muito.

Sentava na varanda observando o luar
Por onde andava o outro alguém que ele sonhava encontrar?
Dava nome às estrelas, enxergava o além
Mas será que vale a pena sonhar com um amor que nunca vem?

Ele era um garoto que fugia do padrão
E por isso sofria muito.

E foi de tanto fugir dos padrões que eles acabaram o encontrando
O garoto, embora negasse, terminou neles se encaixando
E se tornou normal, e se tornou atraente, e se tornou popular
E se tornou apenas mais um adolescente.

Ele já não era um garoto que fugia do padrão
E por isso perdera a graça.

A graça foi procurar outro garoto para morar
Não muito longe dali encontrou a quem agraciar
E esse outro garoto sonhava em um dia encontrar
Alguém que fugisse do padrão, que não tivesse medo de sonhar.

Ele era um garoto que fugia do padrão
E agora tinha a graça.

E mesmo sofrendo porque sonhava
E mesmo sonhando pra sorrir
E mesmo sorrindo pra tentar não sofrer...
Era feliz.

Era feliz
Porque tinha graça.
Porque fugia do padrão.
Porque não era só mais um.



Sobre a foto:
A foto postada junto a este poema é do personagem Charlie, do filme As Vantagens de Ser Invisível. Sou o eu lírico deste poema, mas poderia ser ele. Sei lá, é tão engraçado quando um autor que nem imagina que você existe consegue escrever um personagem tão idêntico a você. Este sou eu, ele é Charlie. Nó dois conhecemos as vantagens de ser invisível, e uma das principais é ter o privilégio de ser a moradia da graça. Ainda estou tentando entender porque escrevi esta observação... Ah lembrei, fugir do padrão, não é?

7 comentários:

  1. Ficou tão lindo! Não tem nem muito o que se falar porque de um jeito ou de outro, tudo que você escreve sempre toca a gente de uma forma especial.
    Amei ♥

    ResponderExcluir
  2. Muito bom esse poema, me identifiquei muito mesmo com ele, principalmente na parte:
    "Ele era um garoto que fugia do padrão
    E por isso sofria muito."
    realmente esta de parabéns. Gostei aqui do blog e vou ficar por aqui!
    Abraços
    http://refugionofimdouniverso.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Muito lindo....
    sensacional, vc sempre se superando
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Era feliz porque tinha graça!!!
    Parabéns!
    Vanessa Rosa
    www.rosachiclets.com.br

    ResponderExcluir
  5. vc quem fez? meus parabéns, mt bom msm

    ResponderExcluir
  6. Lindo!!! Essa parte final me identifiquei demais!!! Muito legal!!! Amei!!!

    ResponderExcluir