domingo, 9 de dezembro de 2012

Conto: 24 horas para o fim do mundo

Nada de arrependimentos, nada de culpa, nada de desculpas. É o último dia de nossas vidas e iremos vivê-los como sempre sonhamos viver nossa vida inteira. Será um desafio resumir os anseios de décadas em apenas 24 horas, mas nós conseguiremos, sim, nós conseguiremos.
Grite que me ama e deixe que este sentimento ecoe  por todos os corações apaixonados, levante as mãos, se liberte deste corpo, sinta a música, não se culpe... apenas voe. É o último dia de nossas vidas e não quero morrer me sentindo incompleto. Se falta algo iremos atrás pra preencher, chega de vácuos, de meias palavras, chega de vazios. Apenas sinta a brisa no rosto, grite que me ama e deixe este sentimento te levar.
Já posso sentir o cheiro  do paraíso, ele está tão próximo de nós, nunca pensei que seria tão fácil alcançá-lo... que bom que estou com você.
Te amo, acho que nunca havia dito isso, aliás, acho que nunca te disse tanta coisa... por um momento cheguei a pensar que poderia morrer engasgado por minhas próprias palavras, principalmente por aquelas que nunca cheguei a dizer. Mas não morri, você me salvou, que bom que está aqui, que bom que estamos vivendo isso.
Quero te beijar, e quero que tal momento dure a eternidade, pois preciso descobrir cada canto da tua boca, cada canto que tanto sonhei em atingir mas não tive a oportunidade. E que seja intenso, e que seja quente, e que nos falte o ar. Vamos escrever nossa própria história, pintar nosso destino, trilhar um caminho onde não há o amanhã.
Apenas levante as mãos, sinta a música, se livre da culpa e deixe o sentimento te levar. Minha boca na sua boca, meu cheiro com teu cheiro, meu corpo colado ao teu. É o último dia de nossas vidas e não poderia pensar num jeito melhor de passá-lo que ao seu lado. Junte todos os seus problemas, coloque-os  num saco e jogue-os ao vento... preciso de você livre. Está ouvindo este barulho? Parece o de ondas do mar, parece o de canto dos pássaros... Segure minha mão e caminhe, dentre pouco chegaremos ao paraíso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário