terça-feira, 20 de novembro de 2012

Crônica: Automático

O botão automático está ligado, ou melhor, está travado. Já não tenho controle sobre meu corpo, me sinto um intruso dentro de mim mesmo. Indo e vindo por aí, seguindo a rotina, cumprindo tarefas corriqueiras e distribuindo sorrisos vazios.
Eu já não sou mais eu, mesmo ainda sendo... Vivo uma vida que em nada lembra tudo o que ansiei viver. Boiando num mar de inércia, lutando contra a maré, tentando ancorar num porto seguro. Porto este que nunca vi, só ouvi falar.
E de nada adianta sonhar com um futuro brilhante se não há brilho no presente... Eu, robô programado pra viver conforme mandam os anseios da vida moderna apenas aceno e sorrio. E se falam comigo apenas aceno e sorrio, e se me ignoram apenas aceno e sorrio... Apenas mais um no meio da multidão.
Nem sei o motivo de estar agora escrevendo tais palavras, observando minhas mãos percorrerem o teclado na busca frenética por formar palavras que expressem algo do que estou sentindo. Inútil. Palavras, mesmo com toda sua plenitude, são facilmente descartáveis quando nos oferecem algo melhor.
Eu, um robô de carne e osso que aprisiona dentro de si um restinho de fé no futuro, desejo mais do que tudo que, em um dia desses, alguém chegue como quem não quer nada e destrave o botão automático. Ai quem sabe poderei deixar de apenas acenar e sorrir pra correr por ai dando gargalhadas. Ai quem sabe poderei deixar de apenas acenar e sorrir pra sair por ai abraçando as pessoas. Ai quem sabe poderei deixar de apenas acenar e sorrir pra me preparar pra te encontrar. Ai quem sabe as coisas passarão a fazer sentido.
Numa tarde qualquer, dum dia qualquer a magia poderá acontecer. Sentirei meu pulmão vibrar, meu coração pulsar e minha voz ecoar: "Fui libertado, estou vivo!
Minha mente facilmente programável se esquecerá destas palavras em poucos minutos...  já você, por favor não se esqueça.




93 Million Miles - Jason Mraz (tradução)
Toda estrada é uma subida escorregadia
Mas sempre haverá uma mão na qual você pode se segurar.
Olhando profundamente pelo telescópio
Você poderá perceber que seu lar está dentro de você
Apenas tenha certeza de que onde quer que você vá
Não, você nunca está sozinho.



2 comentários:

  1. Seus textos são otimos. Doce de navegar. Parabens.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. fico feliz em ler isso Fructu, espero que volte mais vezes! Beijo ;D

      Excluir