segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Crônica: Minhas rachaduras

Abracei esta solidão que me domina e fiz as pazes com a vida.
Juntei meia dúzia de sentimentos necessários e os guardei no lado esquerdo do peito... quanto ao resto, me desfiz. Me desfiz das lembranças, das angústias, me desfiz da ilusão de que a vida não é feita de ilusões e de que podemos passar por ela e sair inteiros. Não, nós não podemos. Mas podemos, a todo momento, tentar colar os pedaços. Colei os meus e colei tão perfeitamente que, de longe, é impossível perceber as rachaduras.
Me sinto tão mais leve. Parece que depois de colados os pedaços, o vento consegue atravessar os espacinhos que ficaram. É tão relaxante, a todo instante sinto meus pés sairem do chão, penso que agora sim posso voar... ou pelo menos dar asas a minha imaginação. Agora não tenho mais todo aquele peso que vinha carregando, e o pior é me dar conta de que era tudo tão desnecessário... nem sei como pude suportar por tanto tempo. Não importa mais, daquilo só restaram minhas rachaduras, que apesar de visíveis estão tão bem coladinhas que dificilmente alguém voltará a soltá-las, dificilmente alguém conseguirá me quebrar novamente.
Já não me importo mais por essas tardes que passo só, eu e minhas rachaduras. Se tenho meu café, meus livros e minha inabalável convicção de como é bom estar vivo, então tenho tudo. Fico feliz pelo rumo que as coisas estão tomando, fico mais feliz ainda por ter mudado minha concepção do que significa 'tudo'. E é com esse novo significado de 'tudo' que tenho certeza que tenho tudo o que preciso pra ser feliz porquê tudo o que eu preciso pra ser feliz também precisa de mim.


 
Infinito (Fresno)
Mas se eu pintar um horizonte infinito
E caminhar do jeito que eu acredito
Eu vou chegar em um lugar só meu...
Lá pode ter um novo amor pra eu viver,
Quem sabe uma nova dor pra eu sentir,
A droga certa pra fazer te esquecer,
E apagar a tua marca de mim.
Tudo pode estar lá...


4 comentários:

  1. Gostei muito do blog... Convido-o para ler o meu:
    http://vidaredigida.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. ''É tão relaxante, a todo instante sinto meus pés sairem do chão, penso que agora sim posso voar... ou pelo menos dar asas a minha imaginação. ''

    A prova de que você consegue dar asas a sua imaginação é que tu fez das rachaduras e momentos ruins um belo texto. Se a felicidade é o que tu almejas, continue fazendo arte através dela.
    O clipe dessa música é lindo, apesar de eu não ouvir mais Fresno faz um tempão. Mas assisti faz umas semanas e gostei bastante.
    Um beijo, @pequenatiss.

    ResponderExcluir
  3. Fazer as pazes com a vida e deixar o vento passar pelas brechas que ainda existem, acredito que seja um ótimo início de novos momentos. Seu texto é tão sincero e gostoso de ler... desejo que o vento continue passando e te deixando mais leve e que sorrisos também preencham as rachaduras!
    Não sou fã da banda Fresno, mas essa música e esse clipe são maravilhosos, um amigo me mostrou a um tempinho!

    Abraço,
    http://decifrandopordeiselima.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Ah, e parabéns pelo aniversário do blog!! O meu também faz aniversário esse mês 3 anos \0

    ResponderExcluir